Unindo esforços e fortalecendo entidades locais para geração e democratização do conhecimento
Missão
Contribuir para o manejo sustentável da biodiversidade, assegurando os modos de vida das comunidades tradicionais e agricultores familiares, gerando renda e melhorando a qualidade de vida.
Visão
Ser referência na geração e socialização de informações contribuindo para inovação e sustentabilidade da produção de açaí no Marajó.
​​​Atribuições
1. Organizar e divulgar informações sobre açaizeiro ocorrente nas florestas de várzea da Mesorregião de Marajó.
2. Identificar e mapear áreas de ocorrência de açaizeiro nas florestas de várzea da Mesorregião de Marajó.
3. Quantificar a produção de açaí em florestas de várzea da Mesorregião de Marajó.
4. Prospectar e organizar experiências exitosas, tecnologias e práticas de manejo de mínimo impacto de açaizais nativos em florestas de várzea.
5. Conduzir capacitações em manejo, colheita, beneficiamento e comercialização de açaí de floresta de várzea.
6. Elaborar, submeter e conduzir projetos para promoção da sustentabilidade em florestas de várzea da Mesorregião de Marajó.
História

Embrião do Centro

A parceria entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF) para conservar a biodiversidade brasileira e gerar renda para comunidades tradicionais e agricultores familiares”, possibilitou a condução do Projeto Bem Diverso, com objetivo de contribuir para o desenvolvimento sustentável em seis Territórios da Cidadania (Alto Acre e Capixaba; Alto Rio Pardo; Sertão do São Francisco; Médio Mearim; Sobral e Marajó) localizados em três biomas (Cerrado, Caatinga e Amazônia) através do uso sustentável da biodiversidade, com período de execução de 2016 a 2020.

Para atendimento das metas propostas para o Território da Cidadania Marajó (TC I - Marajó) foram estruturadas 2 equipes, sendo uma composta por empregados lotados na Embrapa Amazônia Oriental (TC I - Marajó) e a outra com empregados da Embrapa Amapá (TC II - Marajó) . A equipe da Amazônia Oriental, composta por 7 pessoas,  atua nos municípios de Breves, Curralinho, Melgaço, São Sebastião da Boa Vista, Cachoeira do Arari, Muaná, Ponta de Pedras, Bagre e Portel. As principais atividades, nestes municípios, envolvem levantamento sociocomunitário, instalação de vitrines, capacitação de multiplicadores e avaliação dos impactos socioambientais. A principal tecnologia socializada junto aos multiplicadores locais é o “manejo de mínimo impacto de açaizais nativos”.

No Marajó, que compreende 16 municípios no Pará, 10 milhões de hectares e cerca de 37 mil famílias de pequenos agricultores, as principais ameaças à conservação da floresta são o desmatamento para a produção de madeira serrada; a exploração excessiva de açaí; o uso do fogo na agricultura de subsistência; o manejo inadequado das florestas; e a criação de búfalos que compacta solos em estações chuvosas e destrói a vegetação nativa. No TC I - Marajó, o projeto trabalha principalmente com o açaí, abelhas nativas e andiroba.

As características territoriais e sociais do Marajó despertou o desafio para busca de abordagens novas e criativas de oferta de tecnologias que possam colaborar de uma melhor forma com a redução das grandes disparidades inter-regionais, buscando contar com a colaboração da equipe do projeto e demais empregados de outros setores da Embrapa Amazônia Oriental, agentes multiplicadores capacitados, representantes de instituição parceira e moradores das comunidades atendidas.

​Capacitação de Agentes Multiplicadores

Durante a condução do Projeto Bem Diverso no Marajó - TC I, no período de 2016 a 2018, foram capacitados mais de 600 agentes multiplicadores em manejo de mínimo impacto de açaizais nativos. Dentro os agentes, a maioria são técnicos de instituições de assistência técnica e extensão rural, líderes comunitários, professores e técnicos que moram em comunidades, mas não estão no mercado de trabalho.

A metodologia utilizada nos cursos para capacitação dos agentes multiplicadores envolve uma carga horária de 32 horas entre aulas teóricas e práticas, disponibilização da cartilha “Guia prático de manejo de açaizais para a produção de frutos” e instalação de unidades demonstrativas de manejo. Toda formação é voltada para capacitar os agentes para atuarem como multiplicadores da informação na região do Marajó.

A formação de agentes representa uma alternativa para a multiplicação do conhecimento a moradores de comunidades ribeirinhas para aplicação do manejo de açaizais com mínimo impacto. Para que essa socialização seja efetiva e tenha maior garantia de aplicação das práticas nas áreas de açaizal nativo no Marajó é necessário construir estratégias inovadoras que contribuam para democratização do conhecimento, com o protagonismo local.

Mochila do Facilitador

O uso de práticas inadequadas de manejo de açaizais nativos no Marajó, na sua maioria, se deve pela dificuldade de acesso à informação que não chegam às comunidades. A socialização de práticas, tecnologias e técnicas sustentáveis aos moradores de comunidades ribeirinhas desta região demandam grandes investimentos, dificultando a atuação de instituições de pesquisa, inovação e de extensão, em função da grande extensão do território, a baixa densidade populacional e o acesso que é feito pelos rios. A inovação na geração e socialização das informações é imprescindível, para transpor estas dificuldades, possibilitando a democratização do conhecimento.

Como enfrentamento a este cenário, no período de 2017 e 2018, foi conduzido no âmbito do Projeto Bem Diverso a construção da Mochila do Facilitador, em formato físico e virtual, composta por uma cartilha que orienta o uso de suas ferramentas, metodologia e dinâmicas, bem como congrega informações sobre as práticas sustentáveis, um folder passo a passo de como conduzir o manejo, o caderno densidade para melhor entendimento da distribuição e quantidade das espécies e produtividade, fichas de inventário, ferramentas, apresentações e vídeos. Este conjunto facilita a comunicação entre o agente multiplicador e produtores ribeirinhos de açaí, em prol de um manejo sustentável.

E nasce o MANEJAÍ

A formação de agentes e a construção de material didático que compõe a mochila do facilitador vem colaborar com a redução de dois de três entraves que dificultam o protagonismo do agente multiplicador na socialização do conhecimento, o primeiro é a falta de uma equipe técnica local e comunitária capacitada para conduzir cursos e treinamentos para manejadores e o segundo a pouca disponibilidade de ferramentas com linguagem adequada para este fim.

A falta de estrutura organizacional local e comunitária para viabilização de recursos para garantir a socialização e uso deste conhecimento no Marajó, representa o terceiro e principal entrave, no momento.

Frente a este problema, em 2019, a formação do Centro de Referência em Manejo de Açaizais no Marajó (MANEJAÍ), possibilitará a união de esforços e fortalecimento de entidades locais para consolidação e condução de uma estrutura que tem foco na geração e democratização do conhecimento em torno do manejo de mínimo impacto de açaizais nativos no Marajó para produção sustentável de açaí.

Os agentes multiplicadores e a mochila do facilitador farão parte do centro de referência, com sua sede na comunidade Santo Ezequiel Moreno, em Portel, com atuação no Marajó.

Entre as ações do Centro será conduzida a capacitação complementar de agentes multiplicadores, para atuar como facilitadores na socialização do manejo de mínimo impacto de açaizais nativos.

O Centro de Referência em Manejo de Açaizais no Marajó (MANEJAÍ) é um desdobramento da superação de desafios desta região. O registro das etapas que levaram a esta construção colaborará com a manutenção da memória do centro, desde as atividades no âmbito do Projeto Bem Diverso, a união de esforços com foco no fortalecimento das representações locais e dos moradores do Marajó, bem como a estruturação compartilhada do Centro, fruto do entrelaço de valores e da busca pela sustentabilidade.

Durante a III Feira de Ciências do Acutipereira, realizada na comunidade Santo Ezequiel Moreno em novembro de 2018, onde o Projeto Bem Diverso foi um dos parceiros, foram conduzidas reuniões de trabalho com os representantes das entidades locais e os moradores da comunidade, para tratar da proposta do centro e de sua aprovação, quanto a elaboração de seu plano de trabalho.

Esta prática colabora com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)
2.png
8.png
12.png
15.png
17.png

Peaex Acutipereira, Comunidade Santo Ezequiel Moreno, Portel, Pará, Brasil, 68.480-000.

www.manejai.com.br, manejai@hotmail.com

© 2023 By Jeff Carr. Proudly created by Wix.com

  • Grey Vimeo Icon
  • Grey Facebook Icon
  • Grey YouTube Icon
  • Grey Instagram Icon
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now